Os segredos do Acarajé . Post do aluno Greg Grassi

Os segredos do Acarajé . Post do aluno Greg Grassi

Os segredos do acarajé Após experiência prática Greg se sentiu inspirado e decidiu compartilhar o que aprendeu. Ficamos todos curiosos para experimentar essa iguaria e com água da boca. Por Greg Grassi Durante a segunda semana de Janeiro de 2019 na escola Fala Brasil, o aluno Greg Grassi foi com Luciana Nogueira, a professora de Português dele,  provar acarajé, uma delícia baiana numa barraquinha baiana em Botafogo. Greg entregou este relatório sobre sua experiência: Luciana já sabia que eu amo comer e que sou  muito curioso  para saber mais da culinária brasileira. Por isso, ela pensava que uma aula prática sobre a comida baiana seria uma boa ideia e eu concordei com ela. Com certeza não é difícil me convencer a experimentar um novo prato! Luciana e eu nos encontramos num café em Botafogo (perto do metrô) e falamos sobre a história do acarajé antes de prová-lo. Falamos com Anna, a proprietária baiana da barraquinha, e aprendemos outros fatos sobre o prato. Foi óbvio que Anna é uma cozinheira apaixonada e sua barraquinha estava muito organizada e limpa. Com certeza, ela quer que os clientes dela saiam satisfeitos e eu vou voltar em breve. Como resultado das conversas com Luciana  e Anna, aprendi o seguinte:     Origens O acarajé é uma delícia baiana com uma história muito interessante. O acarajé tem origem religiosa e representa um dos pratos afro-brasileira mais conhecidos. Hoje em dia, o prato, parecido ao falafel árabe, é considerado parte da culinária baiana. Na Bahia, o acarajé ainda é uma oferenda para os Orixás, as figuras religiosas do Candomblé, apesar de que existe uma versão...
Homenagem para nossos alunos chineses

Homenagem para nossos alunos chineses

Um negócio da China Homenagem para nossos alunos chineses Os chineses podem parecer fechados quando não os conhecemos. Mas são tão ou mais amigáveis quanto qualquer outra cultura. Construimos uma relação de amizade e confiança com nossos alunos que vieram da China para trabalhar na CNODC multinacional chinesa que explora o Campo de óleo e gás de Libra juntos com as empresas Shell, Total e Petrobras. Nós entendemos todos os desafios que eles têm no dia a dia por isso além do profissionalismo durante as aulas buscamos trazer leveza e alegria. O dia a dia de aula geralmente é focado para a comunicação do dia a dia, escrita de e-mails, notícias sobre o Brasil, China e mercado de óleo e gás, apresentações comerciais mas sempre propomos novas atividades como ida à museus, cafés, aula de música e aula de samba. Devido a rotina intensa muitas vezes não é possível. Mas tem algo que conseguimos realizar todos os anos e que é muito especial tanto para nossa equipe tanto para eles. Um ou dois jantares por ano. Principalmente no final de ano!!! Eles já estão conosco há quase 3 anos sempre buscamos restaurantes especiais que representem bem a cultura brasileira. Nesses jantares toda nossa equipe vai e a deles também. Muitas vezes eles convidam pessoas de sua família que estão no Brasil de visita. Os jantares são sempre sensacionais. Esse ano decidimos fazer algo especial para todos eles. Contratamos um bufê e realizamos um jantar de culinária brasileira especialmente preparado pra eles na escola. Cuidamos da decoração da música e das bebidas para que eles sentissem o conforto de sua...
Conduzindo sua própria vida . Uma experiência de imersão cultural

Conduzindo sua própria vida . Uma experiência de imersão cultural

Conduzindo sua própria vida Experiência de Imersão Cultural em Niterói para expatriados americanos e indianos da empresa Capgemini.  Conduzindo sua própria vida no Brasil. Ir ao museu é uma experiência interessante, mas ter que alugar um carro em um país estrangeiro e dirigir em um trânsito caótico, entendendo os sinais de trânsito em outra linguagem pode ser um desfio extremamente libertador. Mas fomos além! O desafio proposto para os nossos alunos foi ainda maior. Afinal, o objetivo era dar a eles ainda mais autonomia, tirá-los da zona de conforto e possibilitar a adaptação no país o mais rápido possível. A vida não para enquanto ainda se está em processo de adaptação ao ambiente ao seu redor. O museu escolhido foi o MAC em Niterói, uma cidade que fica cerca de 30 min do Rio de Janeiro de carro, e os alunos tinham que chegar lá completamente sem GPS. Quando avisei isso pra eles foi possível ver a cara de espanto e preocupação de todos e a primeira resposta foi:  Você está louca?!? Nós estamos dirigindo!!!!  Eu respondi.  Pois é.  Agora vocês vão precisar confiar no português que aprenderam até agora. Eu confio em vocês! E assim seguimos. O desafio: Ir à uma cidade desconhecida sendo guiado apenas pelo idioma que estão aprendendo. Os alunos dirigiram até Niterói somente pedindo informações em português. No inicio eles tiveram medo, ao fim, além de chegar em paz em Niterói, eles descobriram como os brasileiros são pacientes e atenciosos para dar informações quando em alguns momentos, eles estavam completamente perdidos. É impressionante como dirigir e poder pedir informações permite  uma imensa autonomia. A primeira parada:...