Exposition Photographique . Apoio muito além das imagens.

Exposition Photographique . Apoio muito além das imagens.

Exposition Photographique . Apoio muito além das imagens. Aula para mulheres expatriadas da empresa CGG Quando o sonho de um é uma realidade compartilhada A nossa professora Daniela Campelo, em meio as suas aulas, detectou com grande sensibilidade o sonho da sua aluna Emmy, quando nem ela própria tinha a clareza. Para ensinar é preciso estar atento ao que o aluno realmente necessita. Na maioria das vezes os seus reais desejos, medos e anseios estão do lado de fora da sala de aula. Detectar essas questões requer abertura e escuta atenta. Afinal, pode ser fácil  verbalizar um desejo, mas é extremamente difícil entender se aquela são as reais necessidades. Quando os sonhos são revelados Emmy Culianez é uma francesa que aprendemos a admirar enquanto estudava conosco. Formada em estatística e matemática, no Brasil ela se dedicava quase que exclusivamente a cuidar de sua família desde que seu marido foi transferido para o Rio de Janeiro. Determinada, Emmy tinha saudade de seu sucesso profissional e da sua vida na França. O trabalho do Fala Brasil School sempre se baseou na promoção da autonomia e da auto confiança na cultura brasileira, e com Emmy não foi diferente. Foi um desafio para ela ganhar a coragem necessária para se comunicar naquela nova língua. Em uma das aulas, onde trabalhávamos planos de vida e sonhos, Emmy nos revelou a paixão pela fotografia. Nós, que estamos sempre abertos para ajudar os alunos a se estabelecerem aqui de forma satisfatória, não podíamos deixar de apoiar esse sonho recém revelado. Imediatamente colocamos a Emmy em contato com outra querida aluna nossa, fotógrafa de profissão, e logo...
Quando a pontualidade precisa ser falada

Quando a pontualidade precisa ser falada

Pontualidade Construindo a cidade olímpica no país do jeitinho Era uma segunda-feira de manhã, quando o inglês João, como ele gosta de ser chamado, chegou à aula extremamente irritado com o Brasil, o que foi uma surpresa para mim. Ele trabalhava para o comitê olímpico, que estava construindo a cidade Olímpica para hospedar os jogos Olímpicos Rio 2016. No dia a dia de seu trabalho, ele tinha problemas frequentes com a falta de estrutura, burocracias e a falta de prazo, mas ele sempre entendia tudo e, por gostar muito do Brasil e dos brasileiros, sempre mantinha o bom humor. Ele me falou, inconformado, que eles estavam recebendo a delegação inglesa; e toda a equipe nacional e a internacional deveriam se encontrar em Niterói no sábado de manhã. Os ingleses, que eram os diretores, chegaram pontualmente e os brasileiros chegaram quase uma hora atrasados. Para João, quando a questão era somente dele com o Brasil, ele conseguia suportar, mas quando envolvia a equipe inglesa, o problema era muito mais sério. Niterói é uma cidade próxima ao Rio, à qual é possível chegar de barca ou por uma ponte que está frequentemente engarrafada. Os cariocas raramente vão para essa cidade e, apesar de ser vizinha, eles têm a impressão de ser muito longe. Eu perguntei para ele se a equipe de brasileiros sabia que precisava estar pontualmente no sábado de manhã em Niterói. Ele me olhou com uma cara de espanto e perguntou: “Claro. Por que você está me perguntando isso?” Eu perguntei se ele havia verbalizado para a equipe a importância da pontualidade. Ele falou: “Claro que não. Isso é...